Saúde dos olhos no inverno

Conjuntivite, alergias e a síndrome do olho seco são mais comuns no inverno. Saiba como evitá-las.

O inverno chegou, e chegou com tudo. Neste início de julho foram registradas temperaturas abaixo de 10 graus até no sertão pernambucano. E junto com o inverno, chegam também as chamadas “doenças do frio”.

O clima seco e a baixa umidade do ar, aliados à maior concentração de poluentes e a diminuição da lubrificação natural, deixam os olhos mais suscetíveis às doenças do inverno.

Veja quais são:

Conjuntivite

É mais comum no inverno, já que as pessoas ficam mais tempo em ambientes fechados, com pouca ventilação. Existem três tipos de conjuntivite:

– Alérgicas: são as mais frequentes, causadas pela exposição a algum alérgeno. Não é contagiosa e geralmente acomete os dois olhos. Os sintomas são pálpebras inchadas, coceira, lacrimejamento e vermelhidão.

– Viral: altamente contagiosa. Dura de uma semana a 15 dias, e começa em um olho e depois passa para o outro. Os sintomas são sensação de areia nos olhos, e forte lacrimejamento.

– Bacteriana: mesmas características da viral. O tratamento é feito com soro fisiológico, e colírios com antibióticos.

Atenção: se você estiver com sintomas de conjuntivite, não use suas lentes de contato e consulte um oftalmologista.

Alergias oculares

São respostas exageradas do organismo a um determinado alérgeno (poeira, ácaro, fumaça, entre outros). Acometem os olhos e pálpebras. Ocorrem com maior incidência em pessoas que têm rinite, asma ou alergias de pele. Entre os sintomas estão os olhos vermelhos, coceira, fotofobia e irritação.

Para o tratamento, é preciso consultar um alergista e um oftalmologista. O correto diagnóstico é importante para afastar a substância causadora, e auxiliar no combate à resposta exagerada do organismo.

Síndrome do olho seco 

É caracterizada pela diminuição da produção de lágrima, ou deficiência em alguns de seus componentes. Cerca de 18 milhões de pessoas sofrem de síndrome do olho seco no Brasil.

A exposição à poluição, poeira, ar seco e lugares fechados com ar condicionado favorecem o surgimento da doença. Os sintomas são ardor, irritação, dificuldade para ficar em lugares com ar condicionado e olhos embaçados ao final do dia.

O tratamento é feito com uso de lubrificantes, ingestão de antioxidantes, e preservação da lágrima com a higiene ocular.

Portanto, neste inverno não descuide da saúde de seus olhos.

Redobre os cuidados com a higienização de suas lentes de contato. Veja como aqui.

Fontes: